Avançar para o conteúdo principal

(Complexamente) Simples...

"Ninguém é tão complexo quanto se acha, mas também nem tão simples."

- Uma frase, parece uma simples frase no meio de imensas, no entanto só esta me fez parar... mas só para me perder em mais uma das minhas constantes análises (infrutíferas) à psique humana. O que sou (?), porque o faço o que faço (mas  talvez mais importante), quem sou na realidade, são perguntas que parece que cada vez mais sinto dificuldade em responder.

Mas... se ninguém é tão complexo quanto se acha, então talvez, os constantes devaneios etéreos que sinto serem eufemismos de uma tristeza e solidão maior, não são mais do que hipérboles de um ser mimado e exagerado (!?).

Recuso-me a esta conclusão, a ser simples ou mediano, não gosto do vazio ou do fácil, preciso de conquistar, de ganhar pela luta. Custa-me pensar ser possível que a sinestesia de sentimentos racionais que sinto seja falsa (?). 

Este mal-estar que sinto ser tão complexo e insatisfeito, não pode ser fruto de um coração ou de uma mente...

simples.
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde estás salvadora?

Serás tu a minha salvadora ?
Ou apenas alguém que eleve o meu coração,
Ao clímax do sentimento, da razão
Para que depois o largar
Para cair e ser pisado, neste duro e triste chão...
(...)
Estou aqui sentado a pensar...
A pensar em algo que me alegre
Em algo que consiga fazer-me feliz...
Mas nada consegue, nada muda...
...nada...
Nada me consegue libertar
desta dor que me acorrenta
Nada consegue apagar,
O enorme vazio que me atormenta...

O momento...

Eternos dias passaram, desde…
…o momento…
aquele em que tudo acabou.
O momento em que
A solidão chegou…
Em que o tormento começou,
É a solidão quem me faz escrever,
Mas é a dor que me faz sofrer
A dor...
...provocou-ma o Amor...
mas sem ele não sei viver...

A tempestade

A noite está escura como breu, olho para fora do carro e sorrio sem vontade, a natureza está a concordar com o meu estado de espírito.

De máximos ligados continuo, louco, estrada fora fugindo por entre aquelas árvores, ignorando o perigo, apenas focado em fugir de ti, em fugir das tuas palavras que sinto marcadas a fogo no meu cérebro.

A chuva bate freneticamente no meu para-brisas, os kilometros passam por mim como segundos, não consigo abrandar, nem acho que quero. A estrada é um torna-se um simples borrão, que vai passando atrás da repetição da tua imagem a ir-se embora.

Estaciono, saio do carro para não ouvir a tua musica novamente. Um arrepio intenso faz-me apertar o casaco e saio a passos largos, enquanto o frio e a chuva esforçam-se por me enregelar os ossos, o espírito, esse, já à muito está enregelado.

Esfrego os olhos tentando eliminar o cansaço da viagem nocturna. De olhar vazio, avanço mecanicamente pela rua, lutando contra os elementos, lutando contra a tua imagem.

Vejo f…