Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2008

Chegar a ti.

Abro os olhos, após quatro horas finalmente vejo Lisboa chegar... a torpeza que sinto desaparece pelo silvo da porta a abrir, num crescendo de excitação apanho as minhas coisas e saio para o vento da estação, à porta respiro fundo enquanto olho em volta à tua procura. Vejo abraços de olá, vejo os apressados por chegar a casa, por chegar ao trabalho... mas não te vejo... e eu só quero chegar a... ti.

Algo desiludido por me esperares no nosso ponto de encontro, desloco-me para as escadas, o vento frio corta-me a cara mas o meu coração já dispara por ti. Sorrio quando oiço o meu mp3 brincar com os meus sentimentos tocando uma musica que agora é tua. Automaticamente aproximo-me do nosso ponto de encontro, sinto-me perdido no meio de tantas pessoas, percorro-as uma a uma procurando-te, esperando que estivesses ali, à minha espera...

Não te vejo, olho em volta pensando se aquele não seria o sitio onde sempre nos encontramos, mas é, eu tenho a certeza, percorro todo o cinzento da estação, tod…

"Strawberry fields forever"

Contemplo-te, no lado oposto da cama mergulhada no azul do meu lençol, à medida que te oiço falar o teu tom de voz rouco e sonolento derrete-me a um ponto que eu não achava ser possível. Não sei se é pelas palavras ternurentas ou pelo tom doce do teu olhar... ou simplesmente pelo simples facto de estares... ali.

Sorrateiramente, arrastas-te até mim, o calor do teu corpo despido desperta-me, a tua face deita-se sobre o meu peito arrepiado enquanto sinto a tua perna enroscar-se na minha. Num acesso de energia lanças-te sobre mim com aquele sorriso de quem prepara uma "vingança terrível", elevas-te, o teu olhar outrora doce torna-se felino e fixo no meu, num misto de intimidado e excitado sinto-te planeares o teu próximo passo...

... o que farás?
(to be continued)

Periodo de carência

Numa mistura de excitação com angustia, observo os dias a passar, arghhh!! como os odeio de morte por não serem segundos, olho compulsivamente o telemóvel desesperando por mais uma mensagem tua, por mais um sorriso provocado por ti, por mais borboletas a voar livremente pelo meu estômago, por mais... de ti.

O momento aproxima-se, o tempo torna-se demais e a espera nunca mais finda, só o estar contigo importa, só o poder finalmente estar perto de ti, sentir o teu perfume misturar-se com o meu, sentir o toque da tua pela na minha, sentir... TE.

Sem saber bem porquê estremeço ao ver-te, com calma aproximas-te , observando-me desafiante, medindo os meus passos, sem me tocar paras perto demais, mas sinto-te, de tal forma que perdi qualquer controlo sobre o meu corpo, todo ele reage a ti e cede sob a influencia da tua voz, do teu sorriso...

Sob o poder dos teus lábios.

Ontem à noite

Não consigo adormecer,
olho o escuro do meu quarto, procurando uma acalmia, mas apenas vejo o teu olhar... triste, comigo, pelo que te fiz sofrer...

Não consigo adormecer,
não contigo zangada comigo, não com este peso na minha mente, com esta repulsa que sinto de mim, com esta dor indescritível que me estilhaça o coração.

Não consigo adormecer,
Tento que me respondas às minhas mensagens, tento ouvir a tua voz, preciso de ouvir a tua voz, preciso que me perdoes, preciso que me insultes, preciso de qualquer coisa... preciso de ti.

Não consigo adormecer,
Atendes, oiço o teu silencio, insulta-me, perdoa-me, diz algo, mas diz... preciso que me perdoes, preciso que entendas, preciso que me digas que está tudo bem.

Com o teu silencio ainda a ribombar pelo meu cérebro tento adormecer... mas não consigo.