Avançar para o conteúdo principal

Ephemeroptera

Deviamos estar preparados, não é algo que nos devia surpreender pois sabemos à partida que vai acontecer, sabemos desde crianças que tudo o que é bom termina prematuramente, mas nunca estamos, nunca sabemos quando será a hora da perda, da ausencia definitiva...

Somos quase forçados a acreditar que a cada perda, ficamos melhor, mais fortes, mas egoisticamente pensamos sempre, como podem eles estar melhor sem nós... tudo o que é sentimento de perda é egoismo... nós perdemos, nós ficamos sem algo... não se trata que alguém tenha sofrido, mas sim que nós perdemos o acesso a essa pessoa, perdemos a companhia que ela nos fazia, perdemos o espaço que ela ocupava no coração... e não o conseguimos repor...

Acabamos por ser Ephemerides, acabamos por passar fugazmente por uma vida que nem sempre nos realizou, nem sempre conseguimos ser felizes... mas quando deixamos de estar cá... alguém egoisticamente sente a nossa falta.

Eu sou egoista... eu sinto a tua falta...
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde estás salvadora?

Serás tu a minha salvadora ?
Ou apenas alguém que eleve o meu coração,
Ao clímax do sentimento, da razão
Para que depois o largar
Para cair e ser pisado, neste duro e triste chão...
(...)
Estou aqui sentado a pensar...
A pensar em algo que me alegre
Em algo que consiga fazer-me feliz...
Mas nada consegue, nada muda...
...nada...
Nada me consegue libertar
desta dor que me acorrenta
Nada consegue apagar,
O enorme vazio que me atormenta...

O momento...

Eternos dias passaram, desde…
…o momento…
aquele em que tudo acabou.
O momento em que
A solidão chegou…
Em que o tormento começou,
É a solidão quem me faz escrever,
Mas é a dor que me faz sofrer
A dor...
...provocou-ma o Amor...
mas sem ele não sei viver...

A tempestade

A noite está escura como breu, olho para fora do carro e sorrio sem vontade, a natureza está a concordar com o meu estado de espírito.

De máximos ligados continuo, louco, estrada fora fugindo por entre aquelas árvores, ignorando o perigo, apenas focado em fugir de ti, em fugir das tuas palavras que sinto marcadas a fogo no meu cérebro.

A chuva bate freneticamente no meu para-brisas, os kilometros passam por mim como segundos, não consigo abrandar, nem acho que quero. A estrada é um torna-se um simples borrão, que vai passando atrás da repetição da tua imagem a ir-se embora.

Estaciono, saio do carro para não ouvir a tua musica novamente. Um arrepio intenso faz-me apertar o casaco e saio a passos largos, enquanto o frio e a chuva esforçam-se por me enregelar os ossos, o espírito, esse, já à muito está enregelado.

Esfrego os olhos tentando eliminar o cansaço da viagem nocturna. De olhar vazio, avanço mecanicamente pela rua, lutando contra os elementos, lutando contra a tua imagem.

Vejo f…