Avançar para o conteúdo principal
Em Lisboa ( floresta de betão ), dei-me conta da realidade tinha-me tornado um toxico-dependente ( leia-se amor-dependente ), eu havia começado a consumir, as chamadas drogas leves, à muitos anos atrás, e sem dar por isso fui-me tornando num consumidor inveterado, destas drogas. Uns “flirts“ aqui e ali, umas pequenas paixões mais a diante... até que um dia encontrei, e sem sequer pensar nas consequências, injectei o Evereste deste tipo de drogas, primeiro pequenas doses e depois doses maiores... havia encontrado o AMOR,

Fui-me injectando regular-me, de modo a evitar a ressaca, até que um dia quase morria de overdose... pensei que era o pior que me havia acontecido na vida, mas... o pior, o verdadeiro mal, ainda estava para vir... a ressaca. A ressaca obriga-me a pensar, não sei em quê, mas em algo, não consigo fazer com que o meu cérebro pare de pensar... fico confuso, eu, uma pessoa com a perfeita capacidade de controlo sobre todo o meu ser... perdi completamente o controlo, não consigo parar de pensar... como é isto possível, em que parte da minha vida é que eu perdi o controlo de mim...? Acho que sei o que preciso... acho que preciso de alguns estalos para acordar... para que eu me aperceba que não estou sozinho neste mundo, não sou o único toxico-dependente... preciso de uma reabilitação, para que me devolvam a vontade de viver...
Essa vontade, perdi-a à cerca de 7 meses atrás, quando cheguei a este antro de podridão... foi então que perdi tudo o que significava algo para mim, perdi a minha família, amigos, a minha aldeia e cidade... mas acima de tudo, o canto dos pássaros pela manhã, a brisa do mar, perdi... a minha VIDA...

Quando eu pensava que era o fim, que a morte se aproximava a galope, os meus anjos salvadores apareceram... pagaram a minha fiança e finalmente pude sair em liberdade... inspiro.... expiro... inspiro... expiro... ...finalmente estou livre...

Sai de Lisboa ainda a ressacar e com a marca de ex-recluso na testa... eu... agora... era um ex-recluso da dor à procura de re-inserção social, no cruel mundo dos sentimentos... mas um ex-recluso é sempre um ex-recluso, e foi com essa discriminação que tive que lidar, e só depois, aprender a viver com ela...
...mas não sei se era de mim, se era algo que as outras pessoas provocavam em mim, se era simplesmente o facto de eu ser um ex-recluso, mas... algo faltava, o meu corpo pedia e desejava ardentemente algo... penso... será isto uma recaída, andava eu novamente à procura desta droga...
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde estás salvadora?

Serás tu a minha salvadora ?
Ou apenas alguém que eleve o meu coração,
Ao clímax do sentimento, da razão
Para que depois o largar
Para cair e ser pisado, neste duro e triste chão...
(...)
Estou aqui sentado a pensar...
A pensar em algo que me alegre
Em algo que consiga fazer-me feliz...
Mas nada consegue, nada muda...
...nada...
Nada me consegue libertar
desta dor que me acorrenta
Nada consegue apagar,
O enorme vazio que me atormenta...

O momento...

Eternos dias passaram, desde…
…o momento…
aquele em que tudo acabou.
O momento em que
A solidão chegou…
Em que o tormento começou,
É a solidão quem me faz escrever,
Mas é a dor que me faz sofrer
A dor...
...provocou-ma o Amor...
mas sem ele não sei viver...

A tempestade

A noite está escura como breu, olho para fora do carro e sorrio sem vontade, a natureza está a concordar com o meu estado de espírito.

De máximos ligados continuo, louco, estrada fora fugindo por entre aquelas árvores, ignorando o perigo, apenas focado em fugir de ti, em fugir das tuas palavras que sinto marcadas a fogo no meu cérebro.

A chuva bate freneticamente no meu para-brisas, os kilometros passam por mim como segundos, não consigo abrandar, nem acho que quero. A estrada é um torna-se um simples borrão, que vai passando atrás da repetição da tua imagem a ir-se embora.

Estaciono, saio do carro para não ouvir a tua musica novamente. Um arrepio intenso faz-me apertar o casaco e saio a passos largos, enquanto o frio e a chuva esforçam-se por me enregelar os ossos, o espírito, esse, já à muito está enregelado.

Esfrego os olhos tentando eliminar o cansaço da viagem nocturna. De olhar vazio, avanço mecanicamente pela rua, lutando contra os elementos, lutando contra a tua imagem.

Vejo f…