Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2006

Balelas e outras parvoices...

O luar sempre foi bom conselheiro... mas hoje... hoje em dia caminho por estradas sombrias... estradas escuras que não me levam a lado nenhum... ou que me levam por caminhos que nem sei se quero caminhar...

Estes caminhos obscuros impedem-me de sentir... de sonhar... algo me leva a pensar que caminho para o final dos meus tempos...

Choro...

O fardo da solidão é tão pesado... o este sofrimento é tão pesado... AJUDEM-ME... tirem este fardo das minhas costas... mas ninguém tira... ninguém ajuda... ninguém me... vazio...solidão...

...sofrimento...

Tento por todos os meios que tenho ao meu alcance perceber o que se passa comigo, o que se passa com este mundo... mas não consigo perceber nada... não consigo sentir... se calhar é por isso...

...paro...

Releio o que acabo de escrever... e chego a simples conclusão que hoje é apenas como um dos muitos ( ou todos os ) dias da minha vida em que me sinto carente... sinto falta que me acariciem... que alguém me diga “gosto de ti”...

...sinto falta de tant…

Drogas...

Em Lisboa ( floresta de betão ), dei-me conta da realidade tinha-me tornado um toxico-dependente ( leia-se amor-dependente ), eu havia começado a consumir, as chamadas drogas leves, à muitos anos atrás, e sem dar por isso fui-me tornando num consumidor inveterado, destas drogas. Uns “flirts“ aqui e ali, umas pequenas paixões mais a diante... até que um dia encontrei, e sem sequer pensar nas consequências, injectei o Evereste deste tipo de drogas, primeiro pequenas doses e depois doses maiores... havia encontrado o AMOR,

Fui-me injectando regular-me, de modo a evitar a ressaca, até que um dia quase morria de overdose... pensei que era o pior que me havia acontecido na vida, mas... o pior, o verdadeiro mal, ainda estava para vir... a ressaca. A ressaca obriga-me a pensar, não sei em quê, mas em algo, não consigo fazer com que o meu cérebro pare de pensar... fico confuso, eu, uma pessoa com a perfeita capacidade de controlo sobre todo o meu ser... perdi completamente o controlo, não consi…
Em Lisboa ( floresta de betão ), dei-me conta da realidade tinha-me tornado um toxico-dependente ( leia-se amor-dependente ), eu havia começado a consumir, as chamadas drogas leves, à muitos anos atrás, e sem dar por isso fui-me tornando num consumidor inveterado, destas drogas. Uns “flirts“ aqui e ali, umas pequenas paixões mais a diante... até que um dia encontrei, e sem sequer pensar nas consequências, injectei o Evereste deste tipo de drogas, primeiro pequenas doses e depois doses maiores... havia encontrado o AMOR,

Fui-me injectando regular-me, de modo a evitar a ressaca, até que um dia quase morria de overdose... pensei que era o pior que me havia acontecido na vida, mas... o pior, o verdadeiro mal, ainda estava para vir... a ressaca. A ressaca obriga-me a pensar, não sei em quê, mas em algo, não consigo fazer com que o meu cérebro pare de pensar... fico confuso, eu, uma pessoa com a perfeita capacidade de controlo sobre todo o meu ser... perdi completamente o controlo, não consi…

Razão vs sentimento...

Por entre o seu emaranhado de neurónios, surge, a confusão, a desordem... o sentimento, como que obriga-me a amar, incessantemente, sem olhar a nada nem ninguém... mas a razão impede-me de o fazer... o sentimento aproxima-nos mas a razão repele tudo e todos... nunca até então tinha a razão, sido mais forte que o sentimento, que de pequena preocupação se tornou um enorme tormento....

Grito, grito como nunca havia gritado até à altura, deixei-me completamente levar pelo meu grito, perdi total e completamente o controle... controle, que sempre gostei de manter, e controlar... Como é que eu cheguei a este ponto... como? Onde estás sentimento, porque foges de mim? Razão porque me persegues...